O AVE e possíveis consequências

O AVE e possíveis consequências

O AVE, Acidente Vascular Encefálico (também conhecido por AVC ou trombose) manifesta-se por um défice neurológico permanente ou transitório, que decorre da interrupção da circulação sanguínea por obstrução ou ruptura dos vasos sanguíneos. Os défices neurológicos dependem das áreas afetadas e variam muito de pessoa para pessoa.

Esquema de AVE Hemorrágico e Isquémico, respetivamente

Os AVE’s podem ser Isquémicos ou Hemorrágicos. Na isquemia, há a interrupção da circulação sanguínea por obstrução dos vasos, que pode acontecer por embolia – materiais intravasculares libertam-se numa parte do corpo e ao circular na corrente sanguínea vão obstruir um vaso mais pequeno a nível cerebral, trombose – os vasos sanguíneos obstruem devido ao espessamento gradual por placas de ateroma – arteriosclerose, ou vasculites – obstrução de pequenas artérias devido a processos inflamatórios. Na hemorragia existe uma ruptura dos vasos sanguíneos devido a picos de hipertensão arterial, malformações arteriovenosas, rupturas de aneurismas ou traumatismo craniano. Existem também a possibilidade de o AVE hemorrágico acontecer após um AVE isquémico.

 As consequências de um AVE para uma pessoa variam com a área afetada, e podem ir desde alterações da função motora e sensitiva, do estado de consciência, presença de afasia, disartria, disfagia, apraxia, entre outras.

Resumidamente, apresentarei as funções principais dos vários lobos cerebrais (com referência aquelas que dizem respeito à atuação do Terapeuta da Fala), de forma a que o leitor perceba as possíveis consequências de AVE’s nas várias zonas.