O AVE e possíveis consequências

O AVE e possíveis consequências

A Afasia é uma perturbação adquirida da linguagem que pode comprometer os vários aspetos da comunicação como a compreensão e expressão oral, a leitura e a escrita, sem que exista qualquer alteração do nível intelectual do indivíduo. As alterações dependem das áreas cerebrais afetadas e o diagnóstico dos vários tipos de afasia assentam no comprometimento ou não da compreensão oral, da fluência do discurso e da repetição linguística. Em todos os tipos de afasia, a capacidade de nomear o que nos rodeia encontra-se perturbada.

A Apraxia representa uma alteração no planeamento e programação de atos motores, sendo dado ênfase na Terapia da Fala, à Apraxia Bucofacial e à Apraxia do Discurso. A primeira diz respeito à disfunção no planeamento e programação de movimentos voluntários orais não verbais (por exemplo, mandar um beijo, sorrir, etc.). A segunda, como o nome indica, refere-se à perturbação na capacidade de sequenciar os atos motores voluntários para a fala. Estes défices não podem ser explicados por alterações da tonicidade da musculatura, défices de compreensão ou défice sensorial.

A Disartria representa uma desordem do mecanismo de controlo da musculatura orofacial que não resulta de alterações estruturais anatómicas, perdas sensoriais ou distúrbios psicológicos/psíquicos. É uma perturbação neuromuscular que pode afetar um ou mais dos componentes que são necessários para a fala – Respiração, Fonação, Ressonância, Articulação e Prosódia. Existem vários tipos de disartria, que representam as alterações possíveis nos diferentes componentes da fala e nem sempre ocorrem isoladas, isto é, podem coexistir vários tipos de disartria consoante os sinais observados no indivíduo.

A Disfagia apresenta-se como uma perturbação da deglutição. Está dividida em Disfagia Orofaríngea e Disfagia Esofágica. A primeira, sobre a qual atua o Terapeuta da Fala, representa as alterações observadas nas fases oral e faríngea da deglutição. Já a segunda está frequentemente associada a obstruções mecânicas. Além do tipo de disfagia, esta também pode ocorrer em diversos graus, desde o ligeiro ao grave. A disfagia não aparece apenas por défices neurológicos devido a AVE’s mas também devido a alterações da forma das estruturas orofaciais ou até alterações psicogénicas.

 Todos estes diagnósticos relativos à Terapia da Fala e que decorrem da existência de um AVE, podem não ser puros em si mesmo, isto é, a mesma pessoa pode apresentar mais que um tipo de disartria ou apraxia, como também coexistir entre eles (por exemplo, um indivíduo apresentar disartria e disfagia, ou disfagia e afasia, etc.). É por isso importante que o Terapeuta da Fala seja um dos profissionais presentes na (re)habilitação das pessoas com história de AVE, de modo a proporcionar uma melhor qualidade de vida e participação social, reduzindo ou eliminando as perturbações existentes.